Todos os anos, o debate de alto nível da Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro atrai a atenção do público global e coloca os sistemas de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) das Nações Unidas em seus limites.

O volume e o número de conexões com o site principal da organização, os repositórios de documentos e a transmissão de conteúdos de mídia pela internet, conhecida com o webcasting, excedem os índices normais em múltiplos.

Poucos ambientes de trabalho se equiparam ao ritmo frenético das Nações Unidas, este ano com a presença de mais de 100 líderes globais em dezenas de eventos presenciais ou híbridos que marcam o momento de pandemia.

Crimes cibernéticos aumentaram durante a pandemia

 

Ao mesmo tempo, observamos historicamente um aumento nos ataques cibernéticos incluindo de “negação de serviço” que visam interromper ou até mesmo desativar esses serviços vitais de TIC.

A natureza híbrida do debate deste ano e eventos relacionados aumenta ainda mais a confiança dos órgãos primários e dos Estados-membros na infraestrutura de tecnologia, em particular nos sistemas de colaboração e participação remota.

O Escritório de Tecnologia da Informação e Comunicação, OICT, tem, portanto, fortalecido a resiliência dos sistemas relevantes, aumentando a largura de banda disponível, fornecendo serviços em vários locais e usando serviços em nuvem.

Também intensificamos a proteção em tempo real contra ataques de negação de serviço. Embora este serviço esteja operacional durante todo o ano, personalizamos sua configuração para abordar especificamente as ameaças esperadas durante o Debate Geral e estabelecemos um procedimento de escalonamento direto em tempo real para o Centro de Operações de Segurança.

“Ataques cibernéticos são uma tendência que estará cada vez mais merecendo a atenção da equipe de tecnologia de informação”

 

Continuamos atentos às atividades de monitoramento de segurança de sistemas que não estão diretamente relacionados à semana de Alto Nível, para garantir que o foco nesses sistemas não seja explorado por ataques cibernéticos. A colaboração e parceria com vários países membros permite a OICT obter informações cruciais para manter o sistema informático operacional e íntegro. Agradeço a todos os países membros pelo apoio na área proteção cibernética.

Ao mesmo tempo, sabe-se que ataques cibernéticos são uma tendência que estará cada vez mais merecendo a atenção da equipe de tecnologia de informação, cujo papel é fundamental no progresso e na aceleração para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Entra aqui a interação que visa promover ações de integração, algo que desde a minha infância sempre tive o fascínio e a curiosidade de apreciar vivendo os diferentes hábitos e costumes de várias comunidades com as quais interagi.

Tendo nascido em Nampula e crescido em várias províncias de Moçambique, com predominância nas províncias de Tete, Nampula e ultimamente Maputo, antes de sair de Moçambique em dezembro de 1994, eu sempre tentei assimilar os melhores valores das várias comunidades, tanto em Moçambique como nos oito países onde trabalhei e vivi.

“O uso do potencial das novas tecnologias só trará os benefícios que todos nós queremos quando internamente e externamente tivermos boas parcerias do setor informático e dos outros setores”

 

Quando entrei para o sistema das Nações Unidas em 1993, na Organização Internacional para as Migrações, a minha responsabilidade foi de implementar o sistema informático para ajudar a gerir as operações de transporte e reintegração dos soldados desmobilizados e o programa do regresso dos refugiados moçambicanos que estavam nos países vizinhos.

Desde este início da minha carreira no sistema e durante todos os países onde trabalhei, o objetivo da implementação dos sistemas informáticos para melhor alcançar os objetivos das operações demonstra a ligação entre a tecnologia de informação e a aceleração de alcance dos objetivos da organização.

Fazendo um fast forward, em 2020, quando estava na Organização Mundial da Saúde foi importante investir em recursos em três áreas no programa de transformação:

1. Criação de uma divisão de dados e analítica

2. Criação de um departamento focalizado na saúde digital e inovação

3. Aprovação pelos países-membros da estratégia geral de saúde digital

Quando o Secretário-geral das Nações Unidas me nomeou para o cargo Assistente do Secretário-Geral, CITO trouxe para o secretariado a minha experiência de uso de tecnologia para a digitalização. Espero com essa experiência dar um forte apoio à estratégia de dados e da digitalização dos serviços, produtos e processos das Nações Unidas.

Adolescente usando software para operar computador em escola em Kuala Lumpur

Nesse processo, o uso do potencial das novas tecnologias só trará os benefícios que todos nós queremos quando internamente e externamente tivermos boas parcerias do setor informático e dos outros setores onde cada entidade traz a sua especialidade para melhor contribuir para o sucesso da visão e a estratégia do Secretário-Geral para a digitalização das Nações Unidas (Digital United).

Da mesma maneira que todo o sistema das Nações Unidas promove para os países membros uso de Tecnologias para acelerar o desenvolvimento geral sustentável é também importante que toda a organização esteja bem avançada como a digitalização dos seus serviços, produtos e processos.

O desafio que o sistema das nações unidas tem é de trabalhar nas duas vertentes. A primeira: ajudar os países a tirarem o maior proveito da digitalização e não deixar ninguém para trás. A segunda vertente é acelerar o progresso de digitalização, o uso de dados (SG Data Strategy) dentro do Sistema das Nações Unidas.

Neste processo, o Escritório das Tecnologias de Informação e Comunicação, OICT, está a trabalhar com o os vários departamentos e agências para extrair o melhor que a tecnologia de informação tem para oferecer, enquanto continua a promover a ética, privacidade e segurança cibernética do ecossistema digital.

Para vencer este desafio e podermos trabalhar nas duas vertentes é importante realinhar prioridades, otimizar recursos e integrar serviços e diferentes capacidades.

No OICT, a iniciativa de realinhamento, optimização e integração é uma das prioridades para criarmos a fundação solida que vai permitir elevar a maturidade digital das Nações Unidas. Juntos somos mais fortes e podemos vencer qualquer desafio.

Source of original article: United Nations / Nações Unidas (news.un.org). Photo credit: UN. The content of this article does not necessarily reflect the views or opinion of Global Diaspora News (www.globaldiasporanews.net).

To submit your press release: (https://www.globaldiasporanews.com/pr).

To advertise on Global Diaspora News: (www.globaldiasporanews.com/ads).

Sign up to Global Diaspora News newsletter (https://www.globaldiasporanews.com/newsletter/) to start receiving updates and opportunities directly in your email inbox for free.